Página principal do livro

Compre na Amazon, Submarino ou UmLivro

Veja também os cursos de extensão a distância Engenharia de Software Moderna (48 horas) e Teste de Software (20 horas), oferecidos pelo DCC/ICEX/UFMG.

Engenharia de Software Moderna

Marco Tulio Valente

Perguntas Frequentes sobre Métodos Ágeis

O objetivo deste artigo é responder perguntas sobre temas relacionados com métodos ágeis e que não são abordados no Capítulo 2 do livro.

A lista atual de perguntas está organizada em quatro grandes temas:

Perguntas gerais sobre métodos ágeis
  1. Quando surgiram os conceitos de métodos ágeis?
  2. O que é mob programming?
Perguntas sobre Scrum
  1. Além de histórias, quais outros itens podem fazer parte do backlog do produto?
  2. Histórias devem ser sempre estimadas em story points?
  3. Story points devem sempre seguir os valores de uma sequência de Fibonacci?
  4. Posso estimar histórias de usuários em horas?
  5. O que é grooming?
  6. Em Scrum, o que é um líder servidor?
  7. Qual a diferença entre Product Owner (PO) e Product Manager (PM)?
Perguntas sobre Kanban
  1. É possível voltar com o cartão em um quadro Kanban?
  2. Em Kanban, o que são classes de serviços?
  3. O que é um fluxo de valor?
Perguntas sobre Organização de Times Ágeis
  1. O que faz um Líder Técnico?
  2. Qual a diferença entre times orientados por projeto e por produto?

Segue a lista de perguntas e suas respostas.


1. Quando surgiram os conceitos de métodos ágeis?

Usualmente, costuma-se dizer que foi em fevereiro de 2001, com o lançamento do Manisfesto Ágil.

Porém, não podemos achar que tudo foi inventado na reunião realizada em uma estação de esqui no estado de Utah (EUA), com duração de três dias.

Mesmo antes de 2001, existiram trabalhos importantes na área, conforme datado a seguir:

  • 1989: primeiro framework de testes de unidade, chamado SUnit, implementado por Kent Beck para Smalltalk.
  • 1992: primeira tese de doutorado sobre refactoring, de autoria de William Opdyke.
  • 1995: primeira versão de Scrum (veja o paper, de autoria de Ken Schwaber).
  • 1999: primeira edição do livro sobre XP, por Kent Beck.

E após fevereiro de 2001 também temos trabalhos importantes que influenciaram na difusão das ideias ágeis, tais como:

  • 2001: primeiro servidor de integração contínua, chamado CruiseControl, implementado por desenvolvedores da ThoughWorks.
  • 2002: primeira edição do livro sobre TDD, por Kent Beck.
  • 2004: primeira vez que Kanban foi usado em desenvolvimento de software, por David J. Anderson, na época trabalhando na Microsoft.
  • 2009: primeira conferência sobre DevOps, organizada por Patrick Dubois.
  • 2011: publicação do livro Lean Startup, de Eric Ries.

2. O que é mob programming?

Mob programming pode ser vista como uma extensão da ideia de programação em pares. Ou seja, em vez de duas pessoas programarem juntas, em mob programming temos um time inteiro trabalhando em uma mesma tarefa de programação. No entanto, recomenda-se que o tamanho desse time seja limitado a quatro ou cinco pessoas, incluindo desenvolvedores, mas também POs e outros profissionais. Um deles é chamado de piloto (driver) e comanda o teclado; os demais são os navegadores. Cabe aos navegadores propor e discutir ideias e auxiliar o piloto a codificá-las.

Veja como Woody Zuill – um dos principais proponentes do conceito de mob programming – descreve a iteração entre navegadores e piloto:

É importante que os navegadores se expressem no nível de abstração mais alto que o piloto (e o resto da equipe) seja capaz de entender. Às vezes, isso pode ocorrer de forma genérica, quando o piloto já entendeu o conceito que será codificado e pode prosseguir sem necessidade de instruções detalhadas. Por outro lado, se necessário, os navegadores devem ser capazes de se expressar de forma detalhada, praticamente ditando os comandos que deverão ser digitados pelo piloto.

Se a sessão for realizada de forma presencial, um projetor multimídia deve ser usado para facilitar a participação dos navegadores. Esses últimos podem usar também laptops próprios para realizar pesquisas ou outras tarefas em paralelo. Já no caso de sessões de mob programming remotas, o piloto pode compartilhar sua tela com os navegadores.

Assim como em programação em pares, deve-se periodicamente fazer um rodízio do piloto. Normalmente, esse rodízio ocorre em intervalos curtos, por exemplo, de 15 minutos.

Mob programming pode ser usada para integrar o time, para aprendizado em grupo, para disseminação de conhecimento e evitar a formação de silos, etc.

3. Além de histórias, quais outros itens podem fazer parte do backlog do produto?

Quando se usa Scrum, histórias de usuários – ou seja, features ou requisitos funcionais do sistema – são o principal item do backlog do produto.

No entanto, outros itens também podem ser incluídos no backlog do produto, tais como:

  • Solicitações de correção de bugs, principalmente bugs importantes e que levarão mais tempo para serem corrigidos.

  • Manutenções adaptativas, como, por exemplo, migrar o sistema para uma versão mais nova de um framework, banco de dados ou linguagem de programação.

  • Refatorações grandes e importantes, bem como outras atividades para pagamento de Débito Técnico.

  • Instalação ou configuração de algum sistema ou framework mais complexo, como um banco de dados.

Resumindo, conforme afirmado no Scrum Guide, qualquer trabalho que é necessário para melhorar o produto pode ser incluído no backlog do produto.

Por outro lado, se temos uma tarefa técnica, como as descritas acima, mas que tem uma complexidade pequena, ela pode ir direto para o backlog de um determinado sprint. Por último, se a tarefa é bastante simples, nem para o backlog do sprint ela precisa ir… Basta que algum desenvolvedor a realize e pronto.

4. Histórias devem ser sempre estimadas em story points?

Não necessariamente. Por exemplo, o Guia do Scrum não inclui menção explícita ao uso de story points e apenas afirma o seguinte:

Os desenvolvedores que farão o trabalho são responsáveis pelo seu dimensionamento.

Logo, um time pode optar por outras escalas, por exemplo:

  • Uma escala com apenas três tamanhos, isto é, histórias pequenas, médias e grandes.
  • Uma escala com cinco tamanhos, isto é, histórias super pequenas, pequenas, médias, grandes e super grandes.
  • etc

5. Story points devem sempre seguir os valores de uma sequência de Fibonacci?

Não precisamos obrigatoriamente usar Fibonacci para a escala de valores de story points, isto é: 1,2,3,5,8,13,21…

Por outro lado, é importante dizer que uma escala com incrementos de 1 também não é recomendável, isto é: 1,2,3,4,5,6,7,8,9,… O motivo é que as estimativas de histórias não são totalmente precisas. Logo, é difícil justificar que uma história tem tamanho 9, por exemplo, em vez de 8 ou 10. Essa diferença é muito pequena, considerando o nível de conhecimento e de informações que temos sobre as histórias no início de um sprint.

6. Posso estimar histórias de usuários em horas?

Sim, histórias podem ser estimadas em unidades de tempo, tais como horas ou homens/hora, por exemplo.

Por outro lado, os defensores de story points argumentam que o maior problema de usar medidas de tempo é que existem sempre dois tempos: o tempo ideal e o tempo consumido (elapsed). Explicando melhor, quando alguém afirma que vai implementar uma história em um dia (tempo ideal), ele pode na verdade levar um pouco mais. O motivo é que sempre vão ocorrer interrupções, tais como reuniões, bugs críticos para corrigir, compromissos pessoais, idas ao médico, etc. Muitas vezes, essa diferença entre tempo ideal e tempo consumido pode acabar gerando um mal-entendido. Algo assim: você prometeu que ia fazer isso em um dia, mas já se passaram dois dias e você não entregou ainda!

Por exemplo, em seu livro Scrum Essencial, Kenneth Rubin afirma o seguinte:

Não há uma resposta certa ou errada sobre o uso de story points e dias ideais. No entanto, um argumento importante contra o uso do tempo ideal consiste no risco de mal-entendidos.

E o autor conclui com o exemplo de um jogo de futebol americano, que tem quatro tempos de 15 minutos, ou seja, uma hora ideal. Apesar disso, uma partida de futebol americano dura, quase sempre, mais de três horas.

7. O que é grooming?

O termo grooming designa as atividades realizadas com o propósito de cuidar do backlog do produto. Portanto, são atividades que devem ser lideradas pelo Product Owner (PO), mas com a colaboração dos demais membros do time. Dentre essas atividades, podemos mencionar as seguintes: descobrir, criar, estimar, priorizar, remover, refinar, entender, especificar ou particionar histórias de usuários. Alguns autores, como Kenneth Rubim, no livro Scrum Essencial, sugerem que 10% do tempo dos membros de um time Scrum deve ser alocado para atividades de grooming. Ou seja, cerca de 4 horas semanais. No entanto, não existe um evento ou momento específico para realização do grooming. Ele pode ser realizado, por exemplo, em reuniões específicas convocadas pelo PO.

8. Em Scrum, o que é um líder servidor?

Scrum usa esse termo para descrever o estilo de liderança que deve ser exercido por um Scrum Master. Ou seja, o Scrum Master não é o chefe de um time Scrum, que lidera dando ordens, cobrando tarefas e prazos, etc. Em vez disso, ele é apenas mais um membro do time, que procura prestar serviços para o PO, para os desenvolvedores e também para a organização. Na versão mais recente do Scrum Guide (2020), o papel de um Scrum Master é assim resumido: eles são líderes verdadeiros, que servem tanto o time Scrum, quanto a organização maior [na qual o time está inserido].

9. Qual a diferença entre Product Owner (PO) e Product Manager (PM)?

Esta é uma pergunta difícil, pois o uso dos termos varia de empresa para empresa e também evolui rapidamente com o tempo.

Mas, primeiro, vamos comentar sobre o que os dois cargos têm em comum: tanto um PO como um PM devem entender profundamente dos problemas e das dores dos clientes. E devem ser capazes de definir, priorizar e explicar para os desenvolvedores o que deve ser implementado. Devem também estar sempre disponíveis para tirar dúvidas.

Sobre as diferenças, gostamos de explicá-las destacando as origens dos termos. Conforme estudamos no Capítulo 2, PO é um termo de Scrum e ele tem responsabilidades muito claras nesse framework. Já PM é um termo que tem suas origens e maior uso em empresas que desenvolvem produtos digitais, incluindo software. Nelas, o PM deve se preocupar também com o posicionamento estratégico do produto no mercado e com variáveis como número de clientes, engajamento, taxas de cancelamento, etc.

10. É possível voltar com o cartão em um quadro Kanban?

Explicando melhor: suponha um quadro com passos Especificação, Implementação e Revisão. Suponha ainda que – no passo de revisão – detectou-se que uma tarefa foi especificada (e implementada) de forma errada. O que deve-se fazer?

Nesse caso, e principalmente se o erro foi grave e demandará um bom tempo para ser corrigido, não existe alternativa, a não ser voltar com o cartão que descreve a tarefa para o passo de especificação, para que ela seja re-especificada e re-implementada, agora de forma correta.

11. Em Kanban, o que são classes de serviços?

Classes de serviços é um conceito de Kanban que possibilita que tarefas diferentes sejam trabalhadas de forma diferente. Por exemplo, costuma-se definir quatro classes de serviços: (1) normal, (2) com deadline, (3) urgente e (4) intangível. Feito isso, toda tarefa que chega para o time deve ser alocada em uma dessas classes de serviço. Se pensarmos nos cartões que descrevem a tarefa, eles devem ter cores diferentes, em função de suas classes de serviço.

Cada classe de serviço pode ter seu próprio fluxo de trabalho. Particularmente, os limites WIP podem ser específicos para cada classe de serviço. E algumas classes de serviços podem pular certos passos do fluxo. Por exemplo, uma tarefa classificada como urgente pode dispensar o passo de revisão.

Para entender melhor o conceito, você pode imaginar que classes de serviço são pistas horizontais em um quadro Kanban. Ou seja, o conceito lembra as pistas exclusivas que existem em determinadas avenidas para ônibus, ambulâncias, bicicletas, etc.

12. O que é um fluxo de valor?

Fluxo de valor (value stream) é um termo que tem sua origem e inspiração em princípios de Manufatura Lean. Suponha, por exemplo, uma fábrica que produz um produto X. Os passos necessários para produzir X nessa fábrica – ou seja, para gerar valor para a fábrica e para seus clientes – constituem um fluxo de valor.

O conceito pode ser adaptado para o contexto de processos de software. Nesse caso, um fluxo de valor inclui os passos necessários para desenvolver uma determinada funcionalidade em um sistema, começando do momento em que ela foi requisitada até o momento em que ela de fato tornou-se disponível para uso.

Adeptos de Kanban e de processos de desenvolvimento Lean recomendam um mapeamento cuidadoso de fluxos de valores. Argumenta-se que isso permite entender bem o processo de desenvolvimento de uma organização, para então otimizá-lo e também para evitar desperdícios de tempo e recursos.

Após terem sido mapeados, entendidos e otimizados, os passos de um fluxo de valor devem corresponder, então, aos passos de um Quadro Kanban. Isso é sugerido, por exemplo, por Mary Poppendieck em um tutorial sobre desenvolvimento Lean: em um sistema Kanban, o fluxo de valor é mapeado em um quadro com colunas para cada um dos seus passos (veja artigo).

13. O que faz um Líder Técnico (Tech Lead)?

Métodos ágeis não fazem distinção entre os desenvolvedores de um time. Por exemplo, o Guia do Scrum diz explicitamente que não devem existir sub-times ou hierarquias em um time. Porém, na prática, sabemos que os desenvolvedores têm níveis de experiência e conhecimento diferentes sobre o sistema que estão implementando ou mantendo. Além disso, existem tarefas que exigem maior responsabilidade, tais como:

  • Implementar histórias mais complexas ou críticas.
  • Definir e evoluir a arquitetura do sistema.
  • Treinar e prover mentoria para desenvolvedores júnior.
  • Monitorar o montante de débito técnico no sistema.
  • Escolher novas tecnologias, como bibliotecas e frameworks.
  • Explicar as decisões técnicas adotadas para os níveis superiores da empresa (por exemplo, CTO, CEO, etc).
  • Ajudar na contratação de novos desenvolvedores.

Então, para assumir essas tarefas de maior responsabilidade, algumas empresas têm em seus times a figura de um Líder Técnico (Tech Lead). No entanto, como o próprio nome diz, o Líder Técnico não é o chefe do time e, portanto, ele não deve ser o controlador de todas as tarefas dos demais desenvolvedores.

14. Qual a diferença entre times orientados por projeto e por produto?

Vamos responder discorrendo sobre cada um dessas formas de organização de times.

Times orientados por projeto

Recomenda-se ter times orientados por projeto quando o escopo e as funcionalidades do sistema que será desenvolvido estão bem definidos. Ou seja, o que o sistema deve fazer está claro. Logo, a função principal do time é implementar as funcionalidades requeridas pelos clientes. Isso não impede que exista um PO (Product Owner) que vai funcionar como uma ponte entre os clientes e os desenvolvedores do time.

Os projetos têm sempre uma duração bem definida. Após o seu término, o sistema é entregue ao contratante, que assume sua manutenção e evolução. O time pode então migrar para outro projeto.

Times orientados por produto

Recomenda-se ter times orientados por produto quando os requisitos do sistema que será desenvolvido não são claros. Um time orientado por produto recebe como entrada um problema e deve descobrir o melhor sistema que vai solucioná-lo. Assim, o time tem autonomia para definir as funcionalidades do sistema.

Técnicas como Design Thinking, MVPs e Testes A/B são frequentemente usadas por times orientados por produto. Também já está acordado que os times vão manter e evoluir o sistema desenvolvido, normalmente por anos, até que ele seja descontinuado.

Normalmente, um time orientado por produto desenvolve um sistema para clientes externos. No entanto, os clientes podem ser também internos à organização. Por exemplo, suponha que uma empresa desenvolve um produto X para clientes externos. Porém, um time dessa organização pode ser responsável por desenvolver internamente um produto Y, que facilita a implantação de X em plataformas de computação em nuvem.

Resumo

Não existe uma organização de times melhor do que a outra. No entanto, times orientados por projeto devem ser usados quando o problema a ser resolvido é bem conhecido, assim como a solução (sistema) a ser implementada. É importante também que essa solução demande poucas manutenções, principalmente manutenções evolutivas.

Normalmente, os times de fábricas ou agências de software são orientados por projeto. Já empresas de tecnologia – cujo principal negócio são sistemas ou serviços de software – possuem times orientados por produto.


Voltar para a página principal.